quinta-feira, 5 de março de 2009

Monólogos do Coração (com chá a acompanhar)

Entrei no café do costume que nunca foi dos meus preferidos mas servia para o efeito. Vinha com a conversa ensaiada por cima de acordes de Bon Iver e Amélie e o medo preso em todos os músculos do corpo, até nas cordas vocais. Pedi o chá de cidreira por ser o mais doce para amaciar o momento amargo que pressentia e sentei-me a olhar a rua e a esperar. E a esperar. E a esperar. As palavras fervilhavam-me no peito e na barriga e só pensava que te ias esquecer, mais uma vez. Apareces-te, com cara de sono e dez eternos minutos atrasado. Não interessa, let's get to business.

...

«Não tens novidades? ...Sim, estamos a ficar velhos...Pois é...Chegou o momento, os olhos já não escondem mais a ansiedade ... Tenho uma novidade que é mais um problema. Os olhos não conseguem descolar do chá e eu não os obrigo. Apercebi-me que estou apaixonada por ti o coração a bater mais depressa e eu não queria. Porque tu és a pessoa mais estranha que conheço e eu não sei lidar contigo, com a tua ausência de pessoa, com o que tu não transmites. Mas gosto de ti. Sinto a tua silhueta a olhar a volta, confuso. Estas a sair da tua zona de conforto. E não sei muito bem como lidar com isto, mas concluí que se não te tiver, que seja porque não queres e não porque não sabias. a minha visão começa a ficar turva e eu só espero que seja do chá e tu não repares. Só sei que precisava de te dizer isto para ficar com a consciência tranquila, para poder estar mesmo bem, mesmo feliz. Sinto-te confuso, fora de ti, a tentares agarrar-te ao que ainda tens a tua volta que faça sentido. Por favor, diz qualquer coisa! Eu ganhei coragem para te dizer isto, reage!»


« Não sei o que te dizer. Agora estou mais estranho do que o normal.»


Olhas a volta como se te tivesse tirado a tábua de salvação quando a única coisa que te fiz foi mostrar-te o meu coração. Pelo menos eu já estou bem.

«Vamos para a aula. »

16 rascunhos alheios:

Joana Éme. disse...

uau, não me tinha apercebido que a conversa tinha sido tão profunda.
como é que não percebi os sinais? como é que ignorei monólogos do teu coração porque pensei que estarias apenas a fugir de outra coisa? de um outro amor..

não quis ver, também.
porque não queria que te magoasses.. que te magoes.
e agora?
Vamos para a aula e amanhã?
não me chames antiquada nem desmancha prazeres.
eu não quero te magoes.
mas agora vejo.
e percebo amor, percebo.

Nuno Rodrigues disse...

não é fácil responder a uma declaração. mas é muito mais dificil para quem não tem resposta. mas fazes bem em dizer, é dificil segurar tanta confusão.
(obrigado pelo comment :D)

baby piggy disse...

Ele vai precisar de algum tempo para recuperar do 'choque'. Fiz o mesmo a algum tempo, mas não fui entendida como era suposto acontecer.. Obrigada pelo comentário :D*

V disse...

ao menos falaste e no futuro nao vais pensar...«e se eu tivesse dito...»
um beijinho

Marianinha disse...

(outra vez esta porcaria apaga o comentário q faço!)
mas concluí que se não te tiver, que seja porque não queres e não porque não sabias.
parece que estavas lá quando eu disse exactamente as mesmas palavras.
não te sentes muito mais aliviada? como se tudo fosse tão mais claro, tão mais simples? e é!
o teu coração falou e agora está leve. o dele está em pânico (típico!), mas porque agora quem tem a batata quente já não és tu, tu já acalmaste e sentiste o q havia para sentir e dizer que era sentido.

Oh Sis' como eu me orgulho da tua força e como o meu peito se enche :)
beijinho no coração (já dizia o nosso Dudi)*

Marianinha disse...

(btw, he could be that boy, but you're not that girl!)
<"quándu andábas no 10º ánu" :p you're so not that girl>
*mean mood: on*

Nuno disse...

Só para não dizeres que é má-educação :)

O que hei de dizer? Os teus textos deixam-me de queixo caído :O

Nuno disse...

Só para não dizeres que é má-educação :)

O que hei de dizer? Os teus textos deixam-me de queixo caído :O

Nuno disse...

Só para não dizeres que é má-educação :)

O que hei de dizer? Os teus textos deixam-me de queixo caído :O

Débra disse...

fizeste bem em dizer o que se passava no teu coração :D
um beijinho*

x Inês ( ? ) disse...

Que texto .
É o que o meu professor de filosofia costuma dizer , lidamos melhor com pessoa constantes , aquelas de quem sabemos o que esperar . E depois há aquelas estranhas , que fogem a tudo o que conhecemos , a tudo o que consideramos normal . São difíceis .
Tiveste coragem , parabéns .

Beatriz Cró disse...

Que bonito :')

F. disse...

Que verdadeira Tani.
Que coragem.

Mais uma vez não há palavras para descrever o ser humano extraordinário que és.

:)

MafaldaMacedo disse...

"Porque tu és a pessoa mais estranha que conheço e eu não sei lidar contigo, com a tua ausência de pessoa" adorei, adorei a descrição e todo o texto. parabéns *

Ricardo disse...

Ainda me falta a publicação da última 'maquete' do Senses, "Olfacto"... mas ainda bem que gostaste das que já publiquei aqui. Acontece que depois de me passear por meros instantes pelos teus 'Pensamentos Rascunhados', perdi a vontade toda de continuar a estudar a minha «História da Arquitectura Moderna».--'
Não se desencaminha um estudante tão aplicado! :P

Prometo que vou passando, vou lendo e quem sabe vou partilhando alguns esquissos mais complexos. Termino como terminaste, algures.

"Só sei que precisava de te dizer isto para ficar com a consciência tranquila, para poder estar mesmo bem, mesmo feliz. (...)

« Não sei o que te dizer. Agora estou mais estranho do que o normal.»"


Um beijinho,
Ricardo.

Mara disse...

«Olhas a volta como se te tivesse tirado a tábua de salvação quando a única coisa que te fiz foi mostrar-te o meu coração. Pelo menos eu já estou bem». ^.^

Lê que vais adorar. Já li muito, mas poucos tão bons como este. É quase uma renovação.

beijinho

 

Letras e Tons | Creative Commons Attribution- Noncommercial License | Dandy Dandilion Designed by Simply Fabulous Blogger Templates