quinta-feira, 2 de abril de 2009

Três copos vazios.

Três copos vazios. Inicio da noite.



R.


"Importas-te de tirar daqui o portátil ? Já que não estás a ajudar!"
"Sabes perfeitamente que não gostas que interfira quando cozinhas. " Sei, de facto. Estava só a tentar não falar dela. Ela está bem. Eu estou bem. Olho para ti, falsamente concentrada em qualquer coisa no teu ecrazinho. Levantas-me os olhos azuis e eu percebo que estas como eu. Com o coração nas mãos. Soltas o teu nervosismo: (eu cozinho, tu berras. Artista):"Caramba, porque é que os homens são tão ótarios! Parece uma mulher, só complica, só pensa, só atrofia e só lhe faz mal! E é que estou mesmo a ver ela a ir ter com ele e ele a dizer "não és tu, sou eu" e depois daqui a uma semana a ligar-lhe porque sente falta. Ele é tão inconstante, tão sensivelzinho, tão gaja! Que nervos! Nunca os devia ter apresentado". Eu conto as chávenas de açúcar e de chocolate em pó enquanto tu berras pela centésima vez as nossas maldições legitimas de amigas. Eu mexo a massa e unto forminhas enquanto o insulto baixinho mas tu ouves. Depois calas-te e olhas para mim. Não, esse olhar não. "Não o devias convidar para vir cá passar o fim de semana". Duas colheres de chá de fermento e continuar a mexer para a direita. "Estás a ouvir que te estou a dizer? Não me interessa que ele seja o Deus da cama." - "Mas tem uns abdominais incríveis"-"Não interessa!" - "Mas eu amo-o". Deitar a massa nas forminhas, devagarinho para ficar uniforme. "Já sofreste demais, R." As tuas palavras espetam-me como facas no peito já farto de cozinhar para cobrir a tua ausência. Quero os teus braços na minha cintura e a brincar com os meus caracóis. Quero sentir-me mulher outra vez. "Nunca vai ser só hot sex e risos apaixonados, sabes disso não sabes, R.?"- "Mas eu quero hot sex e risos apaixonados, as pessoas mudam, crescem, aprendem. E eu não saberei se não tentar." Olhas-me com cara de mãe que não pode deixar o filho andar de bicicleta para o cimento porque vai cair e esfolar os joelhos. Mas vai aprender. Baixas o olhar e diriges-te a casa de banho. Eu baixo o olhar para os meus cup.cakes e só consigo ver o corpo dele e o meu, os lençóis a envolverem os sorrisos, a minha cabeça no peito dele, no peito, a sensação de pertença, a minha boca... A porta a bate, os tacões furiosos no chão. Fuck, ela já chegou?





L.


Passeio o cursorzinho pelos documentos que me prometo a mim mesma organizar desde sabe Deus quando e passo pelas fotos de nós as três na altura do secundário. Sorrio sem ela ver. Está demasiado concentrada nos bolinhos dela. A M. vai ficar contente quando chegar, os cup.cakes de chocolate sempre foram os preferidos dela. A M. vai ficar contente. Vai chegar feliz, com o sorriso parvo de quem ama pela primeira vez, como se não se tivesse passado nada. Ela vai chegar contente. Levanto os olhos e a R. está a olhar para mim com o olhar que tem a cor do meu peito. Ela pode não chegar contente, dizem-me os teus olhos, ela pode não chegar como se não tivesse passado nada, ele pode manter a opinião dele. Já o conheço a tanto tempo e nunca estive tão chateada com ele! Que nervos! Levanto-me e barafusto pela cozinha, de um lado para o outro, olho de vez em quando para a R. para ver se ainda está a seguir o meu raciocínio (mal era se não seguisse, já dissemos isto tudo antes mas não interessa) e continuo, a amaldiçoar todos os filhos da mãe que não conseguem ser os homens da relação e parecem cinderelazinhas. A fúria acaba por me passar, agora só valia a pena esperar que ela chegasse. Entretanto, tínhamos outro assunto pendente. Caramba R, porque é que insistes em sofrer, já não achas que chega de massacre. Os teus argumentos quase me amolecem o coração porque vejo o amor que tens por ele a transbordar em cada bolinho que enfeitas com tanto cuidado. Mas não podes ceder. Não podes porque te vais magoar, não vês isso? Mas tu amas. Eu também amei. Eu amava-o, sei agora que sim. E não tive a oportunidade de voltar a tentar, como tu tens. Será que devias,? Voltar a tentar? Não te posso mostrar parte fraca. Vou a casa de banho. Tranco a porta e atrevo-me a olhar ao espelho. Não me reconheço,estou feia, estou sem brilho, claro que não posso ser amada. Não, tu é que escolheste, tens a vida que sempre quiseste, a carreira que sonhaste, não podes ter tudo, não podes ter o sucesso e o amor. Tiveste o teu conto de fadas e agora ficas com a recordação que já não é mau. Mas sou feia, tão feia... A chave a entrar na porta, os passos furiosos...Ela já chegou? Fuck.









M.


Podia ter ido de elevador, nunca tinha subido pelas escadas desde que nos mudamos, mas achei que hoje precisava de mais tempo antes de chegar lá acima.
Os olhos dele, tão parecidos com os meus, vagueavam o chão, nem cheguei a perceber se ele tinha alguma coisa a dizer ou ia ter que ser eu a dizer tudo. Como é que ele se atrevia!? Eu compreendo, não tenho como não compreender, não sou de berrar com as pessoas, nunca fui, não ia conseguir. Mas, caramba! Bastava fazer-se homem! Tomar as decisões e mantê-las em vez de se encolher com qualquer coisinha. Ele deixou-me subir até ao meu estado de felicidade suprema para depois me largar do nada só porque sim. Eu não sou a Princesinha Disney que ele acha, não sou, ninguém é uma coisa só, ele conhece tão pouco de mim. Mas também não conhece o quão forte eu sou. Ele não sabe. Ele não sabe...Meto a chave na fechadura e dirigo-me ao meu quarto, ele é demasiado complicado para mim, eu não tenho de aturar isto. Ligo as colunas alto e bom som e a voz do Enrique começa a trazer-me o misto de raiva com prazer que tanto estava a precisar desde o momento que lhe pus os olhos em cima, no inicio da noite no restaurante. Foi tudo tão rápido e ainda assim todas as palavras parece que demoraram uma eternidade a correr o ar. Fecho os olhos e apago essa imagem. Tu não me conheces e eu não sou princesinha. Não sou boneca de porcelana, não parto. Tiro os tacões, fecho os olhos e deixo-me levar. As ancas soltam-se, os longos caracóis pintam as paredes e o tecto de raiva e poder feminino. Abro os olhos e estão elas as duas a porta com cara de mães. "NÃO SOU UMA BONECA! NÃO PARTO!" grito-lhes. Elas olham para mim e sorriem com orgulho. Entram, fecham a porta juntam-se a minha energia. Juntas, fechamos os olhos e deixamos que as nossas curvas se libertem e sintam o poder de ser assim, fortes e livres.






A noite já ia longa e encaixavamo-nos as três no sofá grande da sala com os copos de vinho numa mão e os cup.cakes na outra. E rimo-nos muito, muito alto e vindo do peito.


23 rascunhos alheios:

Joana Éme. disse...

estás proíbida de dizer que eu escrevo bem enquanto eu me lembrar deste post - e eu não me vou esquecer :')

vou ler de novo e já volto. *

Nuno disse...

estou sem palavras :O

(e sem fôlego, de ler isto )

Marianinha disse...

Não há (mais) palavras que consigam dizer como fui/sou/serei feliz ao vosso lado!
A vocês, sim, eu posso dizer que me conhecem os cantos à casa, que me sabem, e que me vêm na totalidade.

Até tive arrepios quando acabei de ler, parecia que tudo tinha acontecido assim. Vocês são tanto, damn it!
E mesmo que não tenhamos (agora) muitas noites de Anatomia de Grey, Desperate Housewives ou Lipstick Jungle, temo-nos sempre no coração umas das outras.
E é tão bom sentir-vos assim, sentir-vos perto todos os dias, esteja uma na cidade do estudante, outra em terras de sua majestade, e outra na veneza portuguesa (:p).
E não resisto em ir ler o texto uma terceira vez, porque me senti mais pertinho de cada uma de vocês.


e eu amo-vos, e amo as nossas partilhas, e os nossos projectos e sonhos de vivermos juntas, e todos os nossos abraços e beijinhos e "gosto muito de ti" que já dissemos, e ainda os que diremos.

porque o meu coração enche-se de mimo quando estão por perto, e de orgulho por pertencer a duas Super-Mulheres que me dão a maior força que alguma vez eu poderia ter.

e bora soltarmo-nos loucas com os copos de vinho ao som do Enrique! :p

as palavras já são escassas, e eu so posso agradecer por vos ter comigo. *
amo-vos. *

Joana Éme. disse...

não me surpreende que tu percebas, não me surpreende.
o que me assombra é o facto de tu dares assim conta, com esta força e intensidade.. sim, porque é o texto mais forte e mais intenso - mais íntimo, digamos assim.
eu falo muito, é facto. mas quando não quero denunciar aquilo que me paira cá dentro calo-me. e tu dás assim conta até quando não estou a palavrar. pensas comigo, sem precisar dessas palavras.
e depois, depois da força e da intensidade, há a protecção. a de nos sabermos família tão para lá dos rótulos entre amigas. tão para lá disso. Protegemo-nos entre as três quando nos sentimos frágeis e celebramos entre as três quando reconhecemos que temos poder, oh! o quanto poder nós temos, filhotas.



Li e maravilhei.
Reli e maravilhei como se não tivesse lido isto antes.
Não é só pela força, pela intensidade ou intimidade. Não é porque fala de mim, de vocês.
É porque somos nós. A visão que tenho do nosso laço, agora e por muitos, muitos anos.
Somos nós, família! Somo-nos.

e eu amo-vos para lá da força, da intensidade e dos momentos íntimos e poderosos que partilhamos.

Joana Éme. disse...

postei o link disto no meu - pra veres como fiqei maravilhada ;p
isto é o amor e eu queria saber falar assim dele.

(não morri mas estou quase! :o)

baby piggy disse...

Fiquei assim :|
Eu não sei bem comentar.. mas acho bem que não sejas uma boneca, nem deixes que te tratem assim. Há pessoas que não merecem o nosso esforço. Excelente, excelente texto! *

Alexandra disse...

Nem sei o que dizer, fiquei maravilhada a ler isto, mas sem palavras :O *

Mara disse...

Não vos conheço, mas só por este post posso afirmar que a vossa amizade é mais do que forte.
E é tão bonito...

beijinhu

Paladar disse...

Fiquei fascinada, que bela amizade! :)

Beijinho Tani

José Silva disse...

Não é o que todos nós queremos? Alguem que seja um porto de abrigo, um amor constante e sempre presente,
Gostei do post, escreves muito bem.

Joana David disse...

Famosa? :o

Eu já tinha descoberto o teu - tenho seguido ;)


Prazer em conhecer-te, Tani :) *

disse...

muito, muito, muito bom mesmo! mesmo!

Marianinha disse...

Acho que enquanto não postares mais nada, e enquanto precisar do vosso mimo (mais que o normal), venho aqui a ler isto.
Sempre que acabo de ler fico com um sorriso tão grande, e com o peito tão cheio que não dá para teres noção.

Eu amo-vos, sim?
E ja tou com saudades vossas meus docinhos e anjinhos e babies e babas e whatever * :p

Joana Éme. disse...

como eu te percebo mariana, venho aqui ler tantas vezes ')

e se eu disser que ja tenho as músicas do tubes pra um CD pró jipe quando vos for buscar à escolinha? (a)

e uma versao de boa qualidade do takin' back my love pra cada uma :D
amo-vos com o coração todo.

Madu disse...

Oh, eu também já tinha saudades de passar por aqui*

Ainda bem que vocês são assim Família umas para as outras:D

Ana Moreira disse...

Tens um escrita modernista! Adoro!

Marianinha disse...

[Joana, nunca mais vem a tua guia para irmos no Jipe a abanar as ancas e a cantar que nem tolas :p].

Somos tão família que dói! :D

Joana Éme. disse...

[acho que já vem na quarta mas já aprendi a andar no jipe e tenho um CD lindo pra cantarmos aos berros :D]

adoro fazer deste post poderoso o nosso msn x'D
fogo, somos família e eu "curto à brava!" (A)

Marianinha disse...

[ainda bem então, q eu já ando a afinar a voz pa berrar "Enrique" e "baba criança cresceu"!! :P]

tambem eu! é o ponto de encontro dos nosso corações [estou-me a tornar muito cheesy, desde quando é q vcs deixaram isto acontecer?].
amo-vos meusanjinhos!

P. disse...

Está lindo :O

Xaninha disse...

Não sei sequer o que te diga... Está genial a maneira como abordaste a situação e como a fizeste soar tão familiar! Essa cumplicidade que vocês têm (e que nós também temos: eu, tu e a mana) não é uma coisa assim tão comum de se ver, não é mesmo, e nós temos uma sorte incrivel de termos alguem com quem partilhar tanto e de tão fundo do coração :)
Reconheci cada uma e vi tão bem a tua ansea de mãe (que não perdes nunca) de quem protege e não consegue ver os Seus sofrer, no azul dos teus olhos que não, mãe, não perderam o brilho, se calhar agora não o consegues ver mas ele está lá :)

Amo-te e estou com tantas saudades tuas que não fazes ideia*
Vai estudar código pra pegares no carrinho e vires comigo ver o mar (:

Joana Éme. disse...

http://www.youtube.com/watch?v=MqCuhtsM-vA&feature=player_embedded


vocês vejam-me bem isto -.-
conheço um "Pedro" capaz de procurar aqui a "Inês" que nem anjo - AHAHAHAHAH. ;p

Marianinha disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHA mãe!!!
secalhar a Inês não quer saber do Pedro, ou deverei antes dizer Rui?
rebolei a rir com isso!

oblá o Tani, curti à brava a foto que puseste :p

e amo-vos, e tanto, e tanto!
tomem lá pedacinhos do meu coração :D

 

Letras e Tons | Creative Commons Attribution- Noncommercial License | Dandy Dandilion Designed by Simply Fabulous Blogger Templates